.comment-link {margin-left:.6em;}

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

 

PB Agora - Paraíba - Parque Marinho de Areia Vermelha, na Paraíba, tem novas regras para visitação

Nada contra a preservação do meio ambiente, mas o formato, ao meu ver, está equivocado. No "deixa ficar pra vê como é que fica", o procedimento inicial seria criar uma força tarefa para uma ação didática civilizatória, a fim de educar os usuários, que são de variados níveis social e cultural, envolvendo até interesses comerciais.Onde tem mercado, tem transações e tudo delas decorrentes. Institucionalizar o procedimento coativo não vai resolver, sem antes induzir o procedimento educacional e civilizatório. Apenas vai se eliminar a inclusão social, por algum tempo, e contribuir para aumentar a tensão social.

PB Agora - Paraíba - Parque Marinho de Areia Vermelha, na Paraíba, tem novas regras para visitação

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

 

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA PARAÍBA CRIA FRENTE PARLAMENTAR DE PROTEÇÃO DA FALÉSIA DO CABO BRANCO

ALPB cria Frente Parlamentar de Proteção da Falésia do Cabo Branco. Até que enfim, nasce uma esperança.
A olhos nu, o ponto crítico da Barreira do Cabo Branco que necessita tratamento especializado se configura numa área de praia de raio de, aproximadamente, 500 metros, numa costa oceânica de mais de 8.500 quilômetros.
A pedraria de óxido de ferro, remanescente da parte do morro desmoronado, espalhada nesta localidade, indica até aonde a Ponta do Seixas (Barreira do Cabo Branco), outrora adentrava ao mar. Neste ponto, o piso não é acidentado e é alcançado e percorrido a pé, na maré baixa e quase não existe fauna e flora consideráveis.
A primeira ideia que passa a quem observa a partir do mar para o continente é de que, se forem reagrupadas as rochas, que já pertenceram ao morro, reconstituindo-se o formato original, não há agressão ao meio ambiente, porque se devolve a natureza o que já lhe pertenceu fisicamente, em forma e tamanho.
Esta digressão vem a propósito para despreocupar os especialistas que buscam solução do problema da barreira, sem lançamentos de elementos físicos ao mar, desconsiderando o histórico outrora existente.
Não queremos com isto descartar que para a restauração não deva-se levar em conta, providências técnicas de estudos das correntes marinhas, ou para proteção contra as chuvas e ventos, a fim de conter o avanço das ondas do mar sobre o morro, mas, a grosso modo,constata-se que a obra de restauração não tem a complexidade que requeira um projeto oceanográfico. Talvez por esta razão tenha se tornado uma realização muito onerosa para a Paraíba. Entretanto, justificam-se os investimentos na restauração deste monumental patrimônio natural, destacado como ponto mais oriental das Américas, que passará a ser avaliado, não somente pelo simbolismo de um acidente histórico e geográfico, de referência internacional, localizado em João Pessoa, capital do estado da Paraíba, mas, também, por ampliar sua força de atração turística e cultural, que o mundo todo gostaria de visitar e contemplar, carreando divisas para nosso estado.
Visto assim, também pelo ângulo da economia, servimos do enfoque acima, para exemplificar e fazer sentir o tamanho do nosso prejuízo, à falta desta restauração. Basta se pensar no desperdício de oportunidades perdidas nesse meio século de discussões. Vale acrescentar, que a Ponta do Seixas (Cabo Branco) tem um leque de outros simbolismos e valores econômicos que vão além do paisagismo ainda nativo, mas sem exploração econômica que lhe dê sustentabilidade, apesar de toda exuberância. O excessivo zelo de alguns críticos, mesmo que mereça respeito pelas meritórias intenções, tem inibido as providências das autoridades competentes, "preocupadas" com os riscos de causarem danos ambientais.
Por outro lado, para se ter uma rápida ideia dos prejuízos com o retardamento da restauração, serve de exemplos, pela similaridade, o quanto se beneficiam os cariocas com a exploração do Pão de Açúcar e do Morro do Corcovado, no Rio de Janeiro.Isto para não lembrar o quanto nossa vizinha cidade de Natal-RN, obtém de aproveitamento econômico com a exploração de um simples pé de caju "(Maior Cajueiro do Mundo)", comparativamente, muito mais do que os paraibanos, com o monumental "CABO BRANCO". Alguém duvida?
A Assembleia Legislativa da Paraíba chega num bom momento, Demonstrando com sua iniciativa, que vai colaborar com sua participação para por fim a delonga destes estudos; destas discussões e destes projetos mirabolantes, destinados a um micro ponto de praia de tão privilegiada localização, beleza e potencialidade turística.
A população aguarda ansiosa que a Engenharia, Arquitetura, Paisagismo e Ecologia e a legislação, convirjam para um consenso que resulte na transformação da paisagem macabra que se tornou o ambiente, em um perfil fotograficamente igual ao original, que pode ser executado, inclusive, com aproveitamento racional de espaços produzidos nas edificações, destinadas também a instalação de apoio administrativo, e comércio compatível, para geração de emprego e renda. Sim, porque o monumento precisará de conservação e manutenção e terá custos continuados, como também, de retorno financeiro para quem injetar recursos.
Ousamos sugerir que está na hora de se evitar a procrastinação do problema, agigantando o seu real tamanho. A solução que está a vista é pontual e claramente localizada. A paraíba está exausta de ver rodar este filme há 50 anos. Vamos rodar uma nova indústria: A do turismo que está em nossas mãos pela graça de Deus.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

 

Um Foco Crítico Sobre a Barreira do Cabo Branco


 Um Foco Crítico Sobre a Barreira do Cabo Branco
O ponto crítico da Barreira do Cabo Branco que exige tratamento especializado se configura numa área de praia de raio aproximadamente de 500 metros, numa costa oceânica de mais de 8.500 quilômetros.
A pedraria de óxido de ferro, remanescente e espalhada pelo o local, indica até aonde a Ponta do Seixas (Barreira do Cabo Branco) outrora adentrava ao mar. Neste ponto, o piso não é acidentado e é alcançado e percorrido a pé, na maré baixa e de fauna e flora quase inexistente. 
A primeira ideia que passa a quem observa do mar para o continente, é de que, se forem reagregadas as rochas, que já pertenceram ao morro, devolvendo-as ao formato original, não há agressão ao meio ambiente, porque se devolve a natureza o que já lhe pertenceu em forma e tamanho. Esta digressão vem a propósito para causar despreocupação aos que buscam solução do problema da barreira, sem lançamentos de elementos físicos ao mar, sem considerar o outrora existente. 
Não se descarta que para a restauração deve-se levar em conta, providências outras, de estudos das correntes marinhas e contenção do avanço das ondas, como também, proteção de chuvas e ventos, mas não é um projeto oceanográfico. 
Justificam-se os investimentos que propiciarão benefícios a este monumental patrimônio natural, destacado como ponto mais oriental das Américas, o qual passará a ser avaliado, não somente pelo simbolismo de um acidente geográfico histórico, de referência internacional, localizado em João Pessoa, capital do estado da Paraíba, mas, também, por ampliar sua força de atração turística e cultural, que o mundo todo gostaria de visitar e contemplar, carreando divisas para a cidade.
Visto assim, serve para exemplificar e fazer sentir o tamanho do nosso prejuízo à falta desta restauração. Basta pensar no desperdício de oportunidades perdidas nesse meio século de discussões. Vale salientar, que a Ponta do Seixas (Cabo Branco) tem um leque de outros simbolismos e valores econômicos que vão além do paisagismo, ainda virgem de exploração econômica, sem riscos de causarem danos ambientais.
Para se ter uma rápida ideia dos prejuízos com o retardamento da restauração, serve de exemplos, o que se obtêm de benefícios os cariocas com a exploração do Pão de Açúcar e do Morro do Corcovado no Rio de Janeiro. Para não lembrar que nossa vizinha cidade de Natal-RN, obtém mais aproveitamento econômico com a exploração de um simples pé de caju "(Maior Cajueiro do Mundo"), do que nós com o monumental "CABO BRANCO". Alguém duvida?
Chega de estudos, discussões e projetos oceanográficos mirabolantes, para um micro ponto de praia de tão privilegiada localização, beleza e potencialidade turística. 
A população aguarda ansiosa que a Engenharia, Arquitetura, Paisagismo e Ecologia, convirjam para um consenso que resulte na transformação da paisagem macabra que se tornou o ambiente, em um perfil fotograficamente igual ao original, que pode ser executado, inclusive, com aproveitamento racional de espaços produzidos nas edificações, destinadas também a instalação de apoio administrativo, e comércio compatível para gerar emprego e renda. Sim, porque o monumento precisará de conservação e manutenção e o investimento de retorno financeiro para a cidadee. 
Ouso sugerir que está na hora de se evitar a procrastinação do problema, agigantando o seu real tamanho. A solução que vemos é pontual e claramente localizada. A paraíba está exausta de ver rodar este filme, há 50 anos. Vamos rodar uma nova indústria: A do turismo que está em nossas mãos pela graça de Deus.

segunda-feira, 16 de março de 2015

 

CURIOSIDADES PÓS MANIFESTAÇÕES:

CURIOSIDADES PÓS MANIFESTAÇÕES:
As manifestações das ruas, como assistimos, se caracterizaram pela espontaneidade e envolveram o povo brasileiro de todos recantos do país;
Pela primeira vez na história, a classe política tiveram absoluta ausência, a partir da arregimentação até a participação, em todos os seus segmentos;
Também, pela primeira vez na história política, não se registraram confrontos e as manifestações tiveram homogeneidade de procedimentos e ações;
As manifestações atingiram repercussões local, nacional e internacional, impactando para o mundo, ecos contra a corrupção no país e pedidos de impeachment da Presidenta;
Como resultado imediato, nos primeiros pronunciamentos do governo, pós-manifestações, houve acolhimento, de forma democrática às manifestações e promessas de medidas como resposta para combater a corrupção e também promover a implementação de reformas para corresponder às reclamações das ruas - uma vitória democrática;
Constatou-se, para felicidade de todos, que em nenhum momento das manifestações houve abuso de poder e reclamações da falta de segurança jurídica ao cidadão, principalmente para o que diz respeito ao direito de livre expressão e manifestação do pensamento;
Das autoridades públicas de notoriedade que se pronunciaram pós-manifestações até agora, destaca-se a postura técnica-jurídica do ex Ministro do Supremo Tribunal , Aires de Brito, que fundamentou legalmente não haverem motivos para enquadramento, que justifiquem o pedido de impeachment da Presidenta da República, desconsiderando o fato, como se o povo não estivesse nas ruas protestando especialmente, à falta de segurança jurídica para garantia de seus direitos e do patrimônio nacional, espoliados por administradores públicos e não estivessem implícitos nisso - leniência, negligência, omissões, corrupção, desvios e descaminhos!
A dúvida que surge é se a Constituição versa sobre direitos e obrigações para todos igualmente e somente a Presidenta tem exceções?
Será que a força que induziu esta espontaneidade de protestos do povo nas ruas, não adveio do fato deste povo ter sido surpreendido, no governo da presidenta, com o pagamento da conta de um rosário de crimes que não praticou contra o erário público e que envergonharam a nação, corromperam as instituições e sacrificaram a economia?

sábado, 14 de março de 2015

 

O CONTRADITÓRIO FICA PRA DEPOIS DE PRESOS

O contraditório fica pra depois de presos!
A tolerância dos bons arrasou o país. Este lenga, lenga, das instituições para aplicação das leis; este argumento renovado de que se precisa leis mais duras de combate ao crime; esta discussão inócua sobre o que e  a quem compete decidir; são posturas quase sempre artificiosas para a cumplicidade e tolerância dos bons aceitarem o domínio dos maus cidadãos. O acervo de leis, decretos e regulamentos da nação, a partir da sua Carta Magna é por demais suficiente para conter todos os abusos e atrocidades  cometidas contra  o povo brasileiro. Basta cada um cumprir com seu papel institucional ou de cidadão. O mais é barela para anestesiar a consciência nacional e se tornarem inimputáveis pelos crimes cometidos. A listagem de leniência, negligência, omissão e corrupção está comprovada em cada denúncia com transparência cristalina.Está claro que o crime virou epidemia nacional e a vacina é cadeia, sem contemporização de cor, nível social, político e econômico. Pelo tom da indignação, o povo já chegou a esta conclusão. Chega de barela! O contraditório fica pra depois, de presos.    

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

 
No Brasil, a  democracia está consolidada,  sem preconceitos

O Brasil pode não ter alcançado os desejados índices de desenvolvimento econômico e social, preconizados pelo governo, mas, a partir da Constituição de 1988, ninguém pode negar a influencia da implementação das disposições  nelas contidas, principalmente, no que se referem aos direitos dos cidadãos, contidos no seu artigo    Art. 5º:
- Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;
XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial;
XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal; (Vide Lei nº 9.296, de 1996)
Esta polêmica levantada pós-eleições presidencial, por alguns inconformados com os resultados conseguidos pelo PT/PMDB/PSB & Cia,  destacadamente no   Nordeste, que está mais uma vez sendo vítima de preconceito e utilizado como combustível por derrotados que querem incendiar o país, não deve prosperar. Mesmo que o Nordete tenha contribuído com o resultado que deixou o país visivelmente dividido nos números eleitorais, prevalecerá o que está estabelecido no contrato social, entre a nação e seus concidadãos, qual seja, a imutabilidade  das  disposições contidas na Constituição brasileira.
Por conseguinte,  a  força que garante segurança a e este fenomenal acontecimento político, não gravita em torno de julgamentos de Cortes Jurídicas, mas se processa na consagração pública da vontade suprema do povo, em razão do pacto social estabelecido na Constituição,  que já consolidou a nossa democracia.
A partir do exercício democrático das eleições ocorridas, pós democratização do pais  e, com a implementação dessas disposições da nova constituição, progressivamente inaugurou-se, também, um  novo modelo de conduta social do eleitorado, tornando-o mais personalizado e que vem o afastando da influência das lideranças políticas tradicionais e profissionais, impondo  mais independência e  respeito as suas preferências.
Sociologicamente falando, aconteceu um verdadeiro fenômeno de mutação na participação do resultado  das eleições, diferentemente de outrora. São transformações de condutas extra partidárias, que originaram uma nova  postura eleitoral, revelada nas urnas de 2014. Um fenômeno sociológico  que está acima do alcance do próprio poder judiciário para avaliação.
 Numa sociedade livre, soberana e protegida por lei, ninguém produz nas Cortes Jurídicas, o que  intestinamente surge da interação dos indivíduos, em função das suas discussões e polêmicas. 
Apurou-se nesse processo eleitoral, que o povo não está mais adepto a política partidária, na forma como ela vem sendo conduzida no país e descobriu-se que sonhar é também um direito democrático, embora traga pesadelos. Deixem o povo sonhar.
O problema eclodiu da vulnerabilidade e descrédito da classe política e dos seus partidos, com raras exceções, que deixaram de lado os princípios ideológicos e as  ações programáticas das cartas partidárias,  priorizando o interesse próprio, à vista de todos.
Por outro lado, não se deve  interpretar estas eleições como um aval de tolerância a corrupção e consagração a má gestão. Se tudo isto que está denunciado existiu, na forma como se propagam, qualquer dos lados que fosse eleito teria, sim, de inevitavelmente tomar o caminho  da apuração e punição dos culpados e, pelas as mesmas razões alegadas, respeitadas e consideradas, proceder acões, através dos   canais competentes, TCU;CGU; Ministério  Público; Polícia Federal e até a “Guarda Noturna”. Nunca pela  a anulação do que o próprio povo  decidiu. 

 Quem perdeu as eleições deve se conformar. Desarmar o palanque e deixar de induzir a minoria incauta a continuar  “enchendo comícios”, para se manterem na vitrine do profissionalismo político.  No Brasil a democracia está   consolidada e sem preconceitos. Há, de fato unidade nacional de norte a sul. O mais é zoada!   

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

 

http://www.wscom.com.br/noticia/politica/VITAL PUBLICA ARTIGO SOBRE EXPECTATIVAS -162533

http://www.wscom.com.br/noticia/politica/VITAL PUBLICA ARTIGO SOBRE EXPECTATIVAS -162533

This page is powered by Blogger. Isn't yours?